carrinha Entregas gratuitas em compras a partir de 60€

Como falar da morte com as crianças?

Desenvolvimento infantil | 8 Fevereiro, 2019

Só agora consigo sentar-me a escrever sobre a história do Julen…

Julen era o segundo filho de José e Vicky, um casal de Málaga, apaixonado desde o liceu. O primeiro filho, Óliver morreu quando o Julen tinha apenas meses. Se ficássemos por aí, a vida já tinha sido bastante cruel para aquele pai e aquela mãe.

Julen deu forças aos pais para continuarem, aquela força que uma criança vivaça transmite com o seu olhar, as suas brincadeiras, a ingenuidade pura de quem acorda todos os dias com um sorriso.

No dia 13 de Janeiro, Julen caiu num poço. E com ele o mundo todo. Aqueles dias de espera foram de respiração suspensa na esperança de o encontrar vivo. Quando o encontraram, já morto, dei por mim a maldizer a vida, a colocar-me empaticamente no lugar daqueles pais, e sinceramente não consegui. Àqueles pais, que não lhes imagino a dor, peço que a vida lhes dê um sentido, uma força para sair daquele poço.

Uma das minhas alunas mais inquietas questionou-me passado dois dias se eu já sabia que o menino do poço tinha morrido. Respondi-lhe que sim, com um olhar triste. Seguidamente, esboçou um sorriso (as crianças possuem outra leveza) e disse:

– A minha vózinha também está no céu. Eu já pedi para ela ajudar o menino.

Conversar com uma criança sobre a morte é algo que assusta os adultos (pais/educadores). É um assunto tabu, delicado para os adultos, espectável que nunca aconteça, mas a realidade é que é importante, uma vez que é um acontecimento natural e inevitável.

Como falar da morte com as crianças?

A forma como a criança vivência a morte depende de muitos fatores, da sua idade, do seu desenvolvimento cognitivo e psicossocial, da personalidade e da cultura, entre outros aspetos. Também a forma como o assunto é abordado deve depender desses fatores.

Para abordar esta temática, a comunicação é fundamental, pois é necessário que a criança adquira competências para entender e encarar a morte como algo natural. Efetivamente, não existe um método mais correto nem definido. A forma como os pais e /ou os educadores abordam esta questão espelha sempre a sua maneira de pensar a vida, as suas crenças e os seus sentimentos.

Crianças até três anos não conseguem compreender que a morte é algo irreversível e definitivo. Mas entendem a ausência de alguma forma (com o tempo, entendem que já não vão brincar mais com essa pessoa, ou que a pessoa em questão não os vai buscar mais à escola).

Já as mais velhas podem perceber que a morte é algo natural, mas necessitam de explicações mais concretas (fazem perguntas mais específicas e necessitam de mais respostas).

A partir dos 12 anos, a criança começa a entender melhor o processo da morte, mas ganha também uma resistência maior à ideia de perda definitiva.

Independentemente da idade, o processo de luto terá sempre que ser apoiado por um adulto atento que escute a criança e responda com amor, paciência e sensibilidade. Terá de ser um adulto de referência para a criança e, caso sinta que a criança está a viver o processo com demasiada angústia e terror, deve procurar apoio especializado. A educação das crianças é feita a muitas mãos e muitos corações!

A morte no brincar

Na minha profissão, já observei crianças a brincar, e o tema da morte surge nas suas fantasias e brincadeiras. Este tema surge, desde cedo na idade pré-escolar e causa curiosidade, medo mas interesse. As crianças exploram o tema com a ferramenta que usam para descodificar e explorar o mundo: o brincar.

Segundo alguns investigadores da área, o brincar possibilita que a criança expresse os seus sentimentos, as suas angústias e as suas fantasias referentes à morte, sendo este um valioso instrumento para explorar esta temática. O ato de brincar permite que a criança entre no seu mundo e lide com as suas dificuldades. Assim, os adultos devem incentivar a criança a brincar e estender a duração desses momentos, se verificarem que está a ser vantajoso para a criança.

Sofia Mendes  – educadora e professora do 1.º Ciclo

sofiafrademendes@gmail.com

Ler mais
Partilhe:
Outros Artigos
Brincar, hoje e sempre!
  “A criança precisa de ter espaço para criar tempo. Tempo para Brincar, tempo que seja TODO TEMPO INTEIRO. Para Sentir, Aprender, Pensar…nas coisas sérias da vida… no Brincar...
Tempo de brincar 15 Fevereiro, 2019
Os terríveis 2 anos!
Quem és tu e o que fizeste ao meu bebé?! Um bebé de sonho: come bem, faz noites de sono maravilhosas, calminho, não dá trabalhinho nenhum. Até que... faz dois anos! Nós, que éramos a mã...
De Pais para Pais 1 Fevereiro, 2019
A Costura na Infância
Haverá alguém que não tenha, nas suas memórias de infância, o registo de uma avó a costurar? Atrevo-me a dizer que quase toda a gente, nascida até ao final da década de oitenta/início da d...